quarta-feira, 12 de janeiro de 2011 | | By: BestOfFutebol

Porto vs Pinhalnovense 2-0

Há uma velha máxima do jornalismo, que diz que um avião que aterra não é notícia, um avião que cai sim. Esta será, portanto, a crónica de uma «não notícia». Mas não deixa de ser um relato com muito que se lhe diga. O voo portista chegou ao seu destino, é certo, mas esta esteve longe de ser uma calma viagem, como, de antemão, se poderia prever. O F.C. Porto venceu o Pinhalnovense por 2-0 e está nas meias-finais da Taça de Portugal.

A pior assistência da época do Dragão viu uma primeira parte sonolenta, de sentido único, mas com tráfego condicionado. André Villas-Boas tinha prometido motivação para «fazer história», mas do Pinhal Novo veio uma equipa embalada pelo mesmo desejo. Depois de afastar o Leixões da Liga de Honra, a missão era espinhosa, mas a equipa de Paulo Fonseca queria torná-la possível.

Para dar a sensação que seria possível contribuiu, e muito, a noite inspirada do guardião Pedro Alves. Um homem com experiência no mais alto patamar no futebol português que foi parando, uma a uma, as investidas dos dragões não filtradas pela concentrada defesa do Pinhalnovense. Foi assim na primeira parte, prolongou-se na segunda, até à bomba que decidiu tudo.

Nem se pode dizer que os dragões tenham facilitado. Villas-Boas introduziu cinco mudanças no onze, mas manteve a estrutura, entregou os flancos a James e Mariano e voltou a fazer de Hulk o ponta-de-lança de serviço. Guarín, o herói com o Marítimo, entrou na segunda parte, quando já se percebia que a tarefa iria exigir empenho máximo. Varela viria a seguir-lhe as pisadas.

1ª Parte:

Deixe a sua opinião sobre este jogo...

A onda de impaciência, que ganhou corpo com as defesas de Pedro Alves às tentativas de Belluschi, Rúben Micael e Mariano, chegou ao limite quando Fernando, na cara do guardião, atirou por cima. Viria a explodir já no segundo tempo, quando Kieszek se redimiu do erro com o Nacional, negando o golo a Miguel Soares, com um voo impressionante. O crédito portista, já ameaçado em alguns sectores, esfumou-se aí e o Dragão sublinhou com assobios. Que acordaram Hulk.

Não deixe de ler o artigo venenoso sobre o Porto melhor equipa do Mundo em Dezembro

Quando o espectro do prolongamento pairava, o «Incrível» decidiu. Drible, toque para a esquerda e bomba que deixou Pedro Alves sem reacção. Durava 78 minutos a resistência do Pinhalnovense. Passava a turbulência, extinguia-se a neblina. A pista estava à vista para o avião portista aterrar. Antes disso, o super-herói do costume ainda haveria de mostrar nova habilidade, depois de arrancar decidido pela esquerda, tabelar com Belluschi e atirar, com estilo, para o segundo.

2ª Parte:

Deixe a sua opinião sobre este jogo...

Da viagem, fica a clara sensação que o resultado sofrido se deveu, claramente, a falta de inspiração. Há noites assim. Uma combinação bem-feita, uma triangulação pensada e executada, um passe a rasgar...Viu-se tudo isto, a espaços. Faltou o que faz a diferença: marcar. No caso, quase sempre, desviar a bola de Pedro Alves.

Seguem em frente os azuis e brancos. Corrija-se. Segue em frente o F.C. Porto. Esta foi uma daquelas raras noites em que os adeptos do Dragão foram embora felizes com a derrota da equipa que jogou de azul e branco.

Destaques Individuais:

Hulk
Assinou uma exibição pautada por lances exasperantes, na etapa inicial, daqueles que provocam a ira dos adeptos. Contudo, esteve nos principais momentos de perigo e resolveu um problema deveras bicudo. entrada para o último quarto-de-hora, quando o F.C. Porto denotava crescentes dificuldades em chegar à área contrária, provou que o caminho mais curto para o sucesso é uma linha quase recta. Fintou um adversário, flectiu para o centro e disparou. Um golo com marca registada: à Hulk. Dobraria a parada numa jogada de encher o olho. Correu para evitar uma saída de bola pela linha lateral, percorreu meio-campo, recebeu de Belluschi e desenhou um arco mais vincado. Dois golos, que pedir mais?

Pedro Alves I
Sub-capitão do Pinhalnovense, o guarda-redes foi o principal responsável pela crescente inquietude do F.C. Porto. Faltam-lhe o nome pomposo, o equipamento berrante e o aparato na abordagem aos lances. Vai defendendo sem grande estilo, privilegiando a eficácia. Durante largos períodos, todos os ataques portistas terminaram nas suas mãos. Terá comedido grande penalidade sobre Hulk, ainda na primeira parte, mas escapou. Fez tudo o que estava ao seu alcance para fazer a festa da Taça de Portugal. Soberbo! Só não conseguiu travar a magia de Hulk na recta final do encontro.

Não perca os melhores momentos da 1ª Volta de James Rodriguez

Miguel Soares
Destaque individual com extensão colectiva. Miguel Soares teve nos pés a melhor oportunidade de golo do Pinhalnovense, uma equipa ousada, guerreira, arrumada. Diogo Figueiras é um lateral deveras interessante, Mustafá e Semedo formam uma dupla aguerrida a meio-campo e Miran usa bem a sua experiência na frente. Faltou apenas evitar a inspiração de Kieszek e Hulk. Ao minuto 70, Miguel Soares apareceu à entrada da área do F.C. Porto e rematou em arco para uma defesa espectacular do guardião polaco. O Pinhalnovense tombaria pouco depois.

Não perca os melhores momentos da 1ª Volta de Belluschi

Kieszek
Talvez afectado pelo erro crasso na oportunidade anterior, começou o jogo com nervos à flor da pele, evidentes na forma como cedeu um canto desnecessário, quando tentou servir um companheiro com os pés. Porém, ao minuto 70, provou o acerto da sua contratação: voo apertado e providencial, negando o golo ao Pinhalnovense. Hulk marcaria pouco depois. A vitória também foi sua.

Fernando
Regresso ao onze, ocupando o lugar que Guarín foi conquistando na sua ausência. Entrou no relvado com tremenda mentalidade ofensiva, abandonando a sua posição para causar desequilíbrios em lances de ataque. Em soberba jogada de entendimento com James Rodriguez, chegou a surgir na marca de penalty, qual ponta-de-lança, provando que esse não é o seu habitat natural: atirou para a bancada! Com o tempo, perdeu o atrevimento e limitou-se à habitual segurança defensiva.

Belluschi
Vários ensaios de meia distância, com qualidade. Menos acutilante que o habitual, a carrilar o jogo ofensivo do F.C. Porto, deixou ainda assim imagem positiva. Esteve até mais agressivo que o habitual na disputa de bola. Assistiu Hulk no segundo golo dos dragões.

Mariano González
O calvário foi longo mas André Villas-Boas está a conceder oportunidades para uma recuperação imediata dos índices físicos. Após uma partida como suplente utilizado, Mariano surgiu no onze e recebeu a braçadeira de capitão como factor extra de motivação. Empenho não faltou, mas o argentino é um jogador tradicionalmente preso de movimentos e, sem ritmo, isso tornou-se ainda mais evidente. Saiu ao minuto 54, para dar o lugar a Varela. O F.C. Porto mudou para melhor.





Destaques dos Treinadores:

André Villas-Boas, treinador do F.C. Porto, comentou desta forma o triunfo frente ao Pinhalnovense (2-0). Hulk marcou os golos da vitória portista no último quarto-de-hora do encontro realizado no Dragão:

«Jogámos sempre contra uma forte organização. É uma equipa de um escalão inferior, mas que jogou bem em posse e a defender. Apesar de tudo, houve sempre domínio do F.C. Porto, jogámos contra essa organização e contra o guarda-redes. Tivemos muitos remates à baliza, procurámos sempre o golo, com mais ou menos critério.»

Sobre a substituição de Ruben Micael ao intervalo: «Achei que com o Freddy (Guarín), teríamos mais um pouco de profundidade e largura. Para além disso, se o resultado se mantivesse empatado até ao minuto 55, tínhamos pensado em alterar a estratégia, como viemos a fazer.»

Ficou satisfeito com a equipa? «Estou sempre satisfeito com o rendimento da minha equipa. O F.C. Porto tem um percurso forte, que às vezes choca com exibições menos conseguidas. Se calhar, com um pouco mais de dinâmica, podíamos ter resolvido o jogo mais cedo. Mas procurámos fazê-lo, pecámos apenas na finalização. Apostámos mais na meia distância. Também me parece claro que este percurso é de valorizar. Seja contra quem for, chegamos às meias-finais da Taça.»



Sobre o facto do F.C. Porto ter sido distinguida como a melhor equipa do mês de Dezembro, pela IFFHS: «É algo que se conquista e o F.C. Porto fê-lo com mérito total. Em Dezembro, tivemos um mês bom, mas temos mantido um percurso imaculado e queremos continuar a fazê-lo, para somar troféus.»

O F.C. Porto perde ou ganha com o Hulk a ponta-de-lança? «Com Hulk, Walter ou Falcao, são sempre dinâmicas diferentes, requer criar novos relacionamentos com os companheiros. Com o Marítimo, parece que correu melhor, mas a verdade é que hoje o Hulk marcou dois golos.»

«O adversário teve grande organização, teve muito critério a construir e tem de se valorizar isso. Fomos criando as oportunidades que conseguimos, que foram bastantes, mas houve uma grande noite do guarda-redes adversário. Não foi por não tentarmos ou não termos mais arte que não marcámos mais cedo.

A verdade é que houve muito mérito do adversário. Não é normal fazer 29 remates e marcar dois golos. Mas territorialmente estivemos perto da baliza do Pinhalnovense. Somos na Liga o melhor ataque, somos uma equipa de ataque, mas há dias assim, dias em que defrontámos fortes organizações.





Paulo Fonseca, treinador do Pinhalnovense:
«Estou muito orgulhoso pelo que os meus jogadores fizeram dentro de campo. Não fomos uma equipa que apenas pensa no momento defensivo, tentámos jogar o jogo pelo jogo, mesmo sabendo que era difícil conseguir aqui um bom resultado. Estou extremamente orgulhoso pelo que fizemos dentro de campo.

Tentámos retardar ao máximo o golo do F.C. Porto, acabou por chegar num belo momento do Hulk, e a partir daí as coisas complicaram-se ainda mais. Mas estou orgulhoso pelo que fizemos nesta Taça de Portugal. Há muitas equipas da Liga que nos últimos anos não fizeram tantos jogos na prova como nós.



Sinto-me envaidecido pelos elogios de Hulk e Villas-Boas. Tínhamos a intenção de deixar uma boa imagem e fico feliz por ouvir as palavras elogiosas do treinador adversário e do melhor jogador em campo. Era um sonho poder atingir as meias-finais, quem sabe para o ano não o consigamos.»





Destaques dos Jogadores:

Hulk, jogador do F.C. Porto, em declarações à SportTV, depois de ter marcado os dois golos da vitória portista frente ao Pinhalnovense:



«No início procurámos criar oportunidades, mas não fomos felizes. O jogo foi resolvido por todos. Tivemos dificuldades, porque não aproveitámos as oportunidades. A equipa deles é boa e criou-nos dificuldades, mas com determinação conseguimos a vitória.»

Texto: maisfutebol




Blog Widget by LinkWithin

9 comentários:

Pedro Barbosa disse... [Responder a Comentario]

Jogo dificil mas resolvido. Pos a nu uma clara necessidade do FCPorto, um avançado. Parabens ao Pinhalnovense pela boa replica. Para quem poderá por em causa a vitoria do FCPorto basta consultar a estatistica do jogo...

ultrafcporto disse... [Responder a Comentario]

Achei que Mariano apesar de ter vindo de uma longa paragem até esteve muito bem entregando-se muito ao jogo e por pouco não marcava. Claro que houve algum nervosismo por falta do golo que tardou em aparecer mas quem tem Hulk tem tudo.
Cump.
ultrasfcporto

Álvaro disse... [Responder a Comentario]

Sinceramente, jogo anormal apenas pela má finalização e algum azar na mesma.
O Pinhalnovense é bastante organizado, mas vistas bem as coisas, foi também praticamente inofensivo.
O FC Porto não teve uma exibição bonita, mas foi prática e foi dominador, agora é lógico que a demora em decidir o jogo faz as delícias da Comunicação Social.

Álvaro disse... [Responder a Comentario]

já agora, o Porto não precisa de um avançado, precisa de um bom ponta-de-lança, para quando não há Falcao.
Porque ponta-de-lança o Porto só tem mesmo Falcao

Pedro Barbosa disse... [Responder a Comentario]

Sim Álvaro, estava me a referir a um ponta de lança.

R14 disse... [Responder a Comentario]

Para ponta-de-lança o Porto devia ir resgatar o Orlando Sá ou o Rabiola. São os dois grandes jogadores. O Rabiola é neste momento o melhor marcador da Liga Orangina (aka Liga de Honra).
Espero é nao irem buscar mais um argentino ou brasileiro com tantos portugueses bons que tem emprestados

BestOfFutebol disse... [Responder a Comentario]

@R14
Exactamente penso da mesma forma, como alias ja aqui anteriormente mencionei, o Porto tem que salvaguardar e pensar num grande Ponta de Lança para quando sair o Falcao e precisa de outros que sendo bons não se importam em estar no banco e que sejam baratos...

E o que há melhor que homens da casa...?

Silva disse... [Responder a Comentario]

@BestOfFutebol
O problema dos homens da casa, é que muito poucos tem aquela garra que nos faz vibrar, aquela vontade de resolver e continuar a marcar mesmo quando o resultado já vai em goleada. Refiro-me aqui a pontas mas agora generalizando um pouco, este é o problema do jogador português, tem pouca garra, e depois, os clubes também tem a sua cota parte de culpa na formação..
Continuando, não me parece que o porto vá ao mercado por um ponta, segundo sei o Kléber já está mesmo acertado para o final de época, mas até ao fim de Janeiro ainda falta muito.. Bem haja...

BestOfFutebol disse... [Responder a Comentario]

Pois é Silva, também não deixo de concordar, e por isso é que me lembrei de um artigo que escrevi sobre o Jardel, e o seu regresso para acabar a carreira no Porto... (6 meses)

E agora quando falas-te desse porMaior da garra e do Kleber, porque tb penso que ja esta assegurado, lembrei-me do super mario...

Garra? Tem ele de sobra basta ver a estrevista que deu, e no final do ano vai embora contente, penso que seria um a boa oportunidade para termos um Matador no banco sempre motivado a jogar 15 minutos e a marcar...

http://www.bestoffutebol.com/2010/10/jardel-regressa-ao-dragao.html

Postar um comentário

Gostou do que encontrou aqui?

Então agradecemos que comente este artigo que acabou de ler, a sua opinião é bastante importante para nós.
Nos comentários dos artigos escreva apenas o que for referente ao tema.